Biografia

Play
Prev
Next

 

AA história do Falamansa começa em 1998, no último dia de inscrição para o 3º Festival de Música do Mackenzie. Tato, hoje autor e vocalista da banda , era DJ de forró e já tinha algumas composições próprias. Decidiu inscrever uma delas (“Asas”) no festival. Porém havia um pequeno problema… Ele não tinha uma banda! “Entrei na sala de inscrições, estavam todos muito exaltados e eufóricos com o evento, falando alto e ao mesmo tempo” lembra Tato. “Quietinho, entreguei a ficha de inscrição junto com uma fita cassete, agradeci e virei as costas.  Quando estava saindo, ouvi:  Espera aí, falta o nome da banda! Com toda aquela bagunça, eu não pensei duas vezes e respondi: é FALAMANSA!
O nome era tão perfeito que o cara respondeu: “Legal, é a sua cara”.  Resultado: quatro dias depois o Falamansa, que até então não existia, estava entre os 20 convocados dos 160 grupos inscritos no festival. Tato lembrou do Alemão, amigo DJ que tocava zabumba. Alemão, por sua vez, chamou o vizinho que tocava triângulo, o Dezinho. Junto com eles, uma flautista e um baixista que fizeram parte da primeira formação da banda. Ensaiaram duas tardes e “Asas” faturou o segundo lugar  no evento. Aí entrou em cena o experiente Josivaldo Leite, o Waldir do Acordeon, que já havia tocado com feras como Osvaldinho do Acordeon e Jorge de Altinho.  Estava completa então a notória formação da banda que se mantem até o presente momento.
A DECKdisc não resistiu ao ouvir o CD independente que eles gravaram em Janeiro de 2000 e lançou “Deixa Entrar…”, distribuído pela Abril Music . O disco, que saiu com 21 mil cópias, atingiu a vendagem de mais de 900 mil cópias em 1 ano, caminhando para o disco de Diamante.  Trazendo entre outras “Rindo à toa”, hoje já um clássico da música brasieira. Falamansa, que começou tocando todas as terças na casa de show Remelexo em Pinheiros, São Paulo, atualmente lota shows para milhares de pessoas de norte a sul do país, onde seus shows viram CDs piratas vendidos pelos camelôs. O FALAMANSA mistura o carisma e a alegria do forró jovem, sem desprezar as raízes desse ritmo tão brasileiro.

 

 

Quietinho, entreguei a ficha de inscrição junto com uma fita cassete, agradeci e virei as costas.  Quando estava saindo, ouvi: Espera aí, falta o nome da banda! Com toda aquela bagunça, eu não pensei duas vezes e respondi: é FALAMANSA!”

 

Tato

Nome: Ricardo Cruz
Nascimento: 26/04/1978

Nasci em São Paulo no dia 26 de abril de 1978. Com um ano mudamos para Piracicaba onde vivi 16 anos. Minha experiência musical começou aos 14, quando tive minha primeira banda de rock’n'roll. Aos 17 anos fui morar na Alemanha onde toquei MPB em um bar de latinos. Foi nessa época que comecei a ser introduzido ao forró. Em 96, ao voltar para o Brasil, conheci Itaúnas e com ela todo encanto do forró pé-de-serra. A partir daí foram 3 anos de contato com o Forró. Minhas músicas espontaneamente seguiram os ritmos de xote, xaxado, baião. Era o forró tomando conta de minha vida. Cursei publicidade e propaganda no Mackenzie durante 2 anos, mas tranquei a matrícula para me dedicar à música. Trabalhei durante dois anos como DJ e promotor de forró. Foi aí que conheci o Alemão, que também era DJ. E assim fui conhecendo todos os meus irmãos que hoje ajudam a transformar meu sonho antigo em realidade.

Dézinho

Nome: André Canônico
Nascimento: 20/03/1978

Nasci na iluminada madrugada de 20 de março de 1978. Cresci na Vila Mariana, bairro tradicional de São Paulo, no mesmo coniunto de edifícios onde mora o Alemão. (om 7 anos comecei a surfar e andar de skate e foi nessa época que conheci o reggae de Bob Marley, o punk rock do Dead Kennedy’s e o rock do Cult. Aos i0 anos ganhei uma bateria na qual pratique¡ por l ano. logo depois, fu¡ morar em Ubatuba para me dedicar ao surf, onde fiquei 2 anos e meio e voltei para São Paulo. Comecei a trabalhar como promotor de forró. Foi aí que, brincando com o triângulo, fui chamado pelo ici, na época, meu amigo Adelmo (Trio Virgulino), para tocar no palco. Daí pra frente não parei mais. Eu e Alemão, amigos há muito tempo, procuróvamos montar uma banda. Foi ai que Alemão me convidou, com mais três pessoas, para tocar no Festival do Mackenzie. Então se formou a Falamansa, na qual toco hoie com muito amor!

Valdir

Nome: Josivaldo Leite da Silva
Nascimento: 27/10/1959

As 23:30h do dia 27 de outubro de 1959, nasci na cidade de Arco-Verde, no sertão pernambucano. Eu Josivaldo leite iá escutando os acordes daquilo que sempre foi a minha maior paixão, a sanfona, sendo tocada pelo querido pai. Aos 14 anos, meu pa¡ me deu uma sanfona de 12 baixos, que era um presente que eu esperava ansiosamente. A partir desse momento, foi amor ao primeiro toque. Dos 14 aos 20 anos, fiz meu forrobodó por aquele senão afora.
Foi então que vim para São Paulo dando continuação a minha iornada. Me encontrei com Zé Duarte, montando o trio “Os Três Nortistas”, que gravou 2 lP’s. Daí pra frente, toquei no Forró do Pedro, tendo contato com os maiores nomes do meio musical. Toque¡ com Osvaldinho do Acordeon, Zé Nilton, Sandro Becker, Lecy Brandão e muitos outros. Por último tocava no Trio Atual. Foi quando recebi o convite dos meninos para fazer parte da família.

Alemão

Nome: Douglas Machado Capalbo
Nascimento: 17/02/1979

Em uma inesquecível noite de carnaval do dia 17 de fevereiro de 1979, nasci em São Paulo, Capital. Me intitularam Douglas Machado Capalbo. Cresci na Vila Mariana, onde conheci o Dezínho e onde moramos até hoje. Minha iniciação musical toda por meio da capoeira, onde aprendi atabaque, pandeiro e berimbau, que pratiquei por 2 anos. Aos 14 anos de idade comecei a tocar violão e por influência do Heavy Metal, aprendi guitarra. Essa experiência durou 4 anos. Em 1997, fui levado por amigos da Vila (inclusive o Dezínho) para o meu primeiro forró. A partir daí, fascinado pelo ritmo e pela dança, encabecei no forró (no bom sentido, é claro!). Nessa mesma época, trabalhei no escritório do conjunto onde morava: “o conjuntão”. Após 1 ano e meio frequentando o forró, comecei a trabalhar como DJ por 8 meses. Foi aí que conheci o Tato. No começo da banda eu cursava a faculdade de educação física na FMU.